cromoterapia

Utilizada desde as civilizações da Grécia e do Egito Antigo, a cromoterapia é uma técnica natural que vem ganhando adeptos que estão em busca de equilíbrio.

Se para uns parece papo esotérico, para a Organização Mundial da Saúde (OMS) é coisa séria. Desde 1976, a cromoterapia é reconhecida pela entidade como uma das principais técnicas complementares para tratar doenças tanto emocionais, como mentais e físicas. No Brasil, alguns hospitais já adotam o tratamento para acelerar o processo de recuperação de pacientes.

As aplicações da técnica são variadas e incluem banhos de luz, uso de lâmpadas coloridas, iluminação da casa e também a escolha de roupas. Segundo Reuben Amber, autor do livro “Cromoterapia – A Cura Através das Cores”, as cores apresentam propriedades físicas e fisiológicas, propriedades físico químicas e propriedades psicológicas.

De acordo com a terapeuta holística Shirley Aiko, o excesso ou a falta de uma determinada cor pode afetar nosso humor, pensamentos e também a saúde física. “O vermelho, por exemplo, emite muita energia e agitação, seu excesso causa estresse, ansiedade e até pressão alta”.

Por isso para pessoas que trabalham usando uniforme nesse tom, a terapeuta recomenda o uso de uma camiseta azul claro por baixo da peça. A cor vai servir para contrabalancear, trazendo calma e tranquilidade, segundo ela.

Para trazer calma, escolha uma parede do quarto para pintar de azul claro.

E é exatamente por esse motivo que o azul claro também é indicado para colorir paredes do quarto. A tonalidade atua em casos de insônia, ajudando a pessoa a dormir melhor. Mas a terapeuta alerta que nunca se deve pintar todas as paredes da mesma cor. “O ideal é escolher uma única parede ou metade dela para aplicar a tinta”.

Já para ajudar crianças tímidas e introvertidas a saírem da concha, uma boa saída é pintar o quarto delas de azul marinho. Isso porque esse tom relaciona-se com o chacra da garganta, também chamado de chacra laríngeo. Pessoas autoritárias e mandonas, no entanto, devem evitar esse tom, para não aguçar o autoritarismo.

branco não é uma cor em si, mas a soma de todas as cores; portanto, possui efeito neutro, assim como o preto – uma cor que não doa nem recebe, não proporcionando troca de energias. Aiko lembra que quanto mais claro o tom da cor mais o lado positivo influencia e vibra e quanto mais escuro o tom, mais ele atrai o lado negativo.

Shirley Aiko também aposta nas cores dos alimentos para equilibrar as energias. “Ingerir alimentos coloridos, como abacaxi e melão, que são amarelos, ajuda na criatividade”, afirma.

Cromoterapia mental

Além dessas técnicas, a cromoterapeuta Blanch Marie recomenda outro método mais simples: a cromoterapia mental, que consiste em imaginar determinada cor em um local específico do corpo que requer uma maior atenção. “Você pode escolher uma delas e utilizá-la durante seu dia para se sentir melhor e ter os benefícios característicos daquela cor”, explica.

Vale lembrar que a terapia das cores não substitui nenhum tipo de tratamento, e deve ser usada apenas como terapia complementar.

Fonte: Site Catraca Livre