O processo de desenvolvimento pessoal exige vontade, dedicação, paciência e persistência, mas acredite: ele vale muito a pena! Conheça os pontos essenciais desse percurso.

desenvolvimento-pessoal

Se você quer desenvolver as suas qualidades, lidar melhor com os seus defeitos, transformar comportamentos prejudiciais, melhorar a sua qualidade de vida, sentir-se melhor consigo mesmo(a) e tornar-se uma pessoa melhor de forma geral, então já está dado o primeiro passo rumo ao seu desenvolvimento pessoal. A vontade de melhorar é essencial para começar esse processo.

Conheça os cinco pontos essenciais dessa importante jornada e saiba como dar os próximos passos na caminhada contínua do desenvolvimento pessoal.

1. Autoconhecimento

O desenvolvimento pessoal começa pela autodescoberta. Só com autoconhecimento você poderá analisar de forma profunda as suas qualidades e defeitos e entender o que é preciso melhorar, além de compreender melhor os seus valores, crenças e comportamentos – e, em seguida, esforçar-se para mudar aqueles que são prejudiciais de alguma forma.

O desenvolvimento pessoal envolve o indivíduo como um todo: as suas emoções, a sua cognição, os seus pensamentos e comportamentos. Portanto, é preciso levar todos esses aspectos em consideração e tentar compreendê-los de forma conjunta, para estabelecer metas, elaborar planejamentos e iniciar práticas benéficas.

Mas como investir no autoconhecimento? Veja algumas dicas:

  • Pratique meditação.

  • Procure um psicólogo.

  • Pergunte-se o porquê de sentimentos, comportamentos, julgamentos e até mesmo crenças que você possui.

  • Compreenda os seus desejos e objetivos: eles vêm mesmo do seu interior ou da interiorização do que os outros consideram melhor para você?

  • Questione-se: quais são as suas principais qualidades? Como você pode potencializá-las? Quais são os seus principais defeitos? Em quais deles você sente que precisa trabalhar?

  • Use ferramentas que facilitem esse processo, como um diário, mapas mentais ou um aplicativo de celular.

  • Ofereça-se compaixão: todos nós temos defeitos, não seja tão duro com os seus.

2. Empatia

Assim como é preciso ter compaixão e paciência consigo mesmo(a), tente se colocar sempre no lugar dos outros antes de julgá-los, ofendê-los ou tomar alguma decisão que possa prejudicá-los. Pratique o diálogo, escute as outras pessoas, evite conclusões precipitadas e esteja aberto(a) a outros pontos de vista.

Isso tudo é difícil, nós sabemos! Por isso, respire fundo e lembre-se de ter a empatia como prioridade em todas as suas interações: a prática faz o hábito.

3. Prática

Segundo o best-seller “O Poder do Hábito: por que fazemos o que fazemos na vida e nos negócios” (2012), do jornalista Charles Duhigg, somos guiados pela rotina e pelo hábito. Tudo o que fazemos de forma repetitiva e previsível acaba por se tornar um hábito: e, aí, é bem difícil escapar dele.

Se você quer efetuar mudanças em sua vida, é preciso estimular o seu cérebro a tomar uma atitude diferente daquela com a qual ele está acostumado, esforçar-se para que o novo comportamento seja sempre repetido e, por fim, recompensar-se por essa mudança. Sim, é preciso um grande esforço para mudar e para manter a mudança, especialmente no início do processo, porém, lembre-se: em determinado momento, ela se transformará na sua nova rotina e se tornará um hábito. 

4. Inteligência emocional

Use o processo de autodescoberta em prol de comportamentos mais saudáveis. Ao compreender melhor as suas emoções, especialmente as negativas, você poderá aprender a geri-las e a controlar reações automáticas. Ao entender o que desencadeia sentimentos desconfortáveis e comportamentos que você deseja evitar, é possível preparar-se para lidar de forma mais racional e consciente com esses gatilhos. Isso é inteligência emocional.

Veja algumas dicas básicas:

  • Analise reações e sentimentos negativos, como explosões de raiva, momentos de tristeza e irritação. Não negue as suas emoções e sim tente compreendê-las.

  • Anote em um caderno pensamentos negativos e analise-os de forma racional.

  • Planeje: de que forma você pode se preparar para lidar melhor com os seus sentimentos, reações e pensamentos negativos?

5. Aprendizado com os outros

O seu aprendizado com outras pessoas pode passar tanto pela palestra de uma monja budista quanto por uma conversa com a sua avó – que certamente tem opiniões bastante diferentes das suas em relação a um monte de coisas, mas, por outro lado, guarda sabedorias que podem ser importantes para o seu desenvolvimento pessoal.

Aprender com os outros, em especial com aqueles que têm mais experiência do que você, é sempre uma boa contribuição para o seu desenvolvimento pessoal. E é possível fazer isso também através da leitura. Portanto, confira cinco livros incríveis para ajudar na sua jornada:

 

  • “Inteligência Emocional” (1995) – Daniel Goleman;

  • “A Arte da Felicidade” (1998) – Dalai Lama e Howard C. Cutler;

  • “A Coragem de Ser Imperfeito” (2012) – Brené Brown;

  • “O poder do Agora” (1997) – Eckhart Tolle;

  • “O Mundo que Habita em Nós” (2019) – Liliane Prata.

    Fonte: Universia Brasil

Últimas Postagens

Consultor, coaching e mentor, qual a diferença?

Consultor, coaching e mentor, qual a diferença?

Quero empreender e não sei por onde começar, será que devo contratar um coach? Um consultor? Ou um mentor? Mesmo que esses profissionais estejam relacionados para impulsionar resultados de impacto nos aspectos pessoais, profissionais e nos negócios, estamos diante de...

Quais os benefícios que os cristais podem proporcionar?

Quais os benefícios que os cristais podem proporcionar?

Os Cristais funcionam como amplificadores de energia, a sua força está na capacidade de ampliar e direcionar nossas próprias forças e poderes. Com trabalhos contínuos trazemos para nosso benefício, a prática de interiorizar as características vibracionais das pedras e...

A Lua que te Rege

A Lua que te Rege

Nossa conexão com a lua é tão antiga ao ponto de não ser possível mensurar quando teve início. Sabe-se que a lua rege as marés, plantações, partos, comportamentos, ciclo menstrual, entre outros elementos, estando nós conscientes disso ou não.Porém o que...

Terapias Integrativas

Terapias Integrativas

Já sabemos que o ser humano não é composto somente do seu corpo físico e sim que além desse “vestido” que usamos na nossa jornada terrena há em nós outros corpos que a olho nu não vemos e que compõem quem somos, esses corpos são o mental, o emocional e o espiritual....

× WhatsApp

Pin It on Pinterest